Tudo que fazemos na web é rastreado, perfilado, e analisado. Mas o que as empresas fazem com essa informação? Até que ponto usam-na de maneira que nos beneficiem contra formas de discriminação?
Enquanto muitas preocupações têm sido levantadas, não se sabe muito quantitativamente. É por isso que em Princeton estão construindo uma infra-estrutura para detectar, medir e reverter tratamento diferenciado de usuários da web.

Vamos considerar alguns exemplos. A “bolha de filtro” surge quando os sistemas de algoritmos, como a pesquisa do Google ou o Facebook decide quais informações deve mostrar um para o usuário com base em seu padrão anterior de buscas e cliques. A preocupação é que os usuários serão alimentados com reforços nos pontos de vista e eventualmente, isolando-os em suas próprias bolhas. A nível demográfico, convém mapear os perfis e aparentemente soa justo tratar os usuários “semelhantes” da mesma forma. O que pode levar a um aprofundamento das disparidades existentes como em anúncios on-line, que vira e mexe parecem uma ferramenta para exibir preconceito racial, temos também os preços on-line e ofertas que foram programados para variar com base em atributos pessoais dos usuários.

O que todos estes e muitos outros exemplos tem em comum é que eles são formas de utilizar as informações pessoais para diferencial ou tratamento discriminatório. Em outras palavras, existe um sistema de ensino a nível de máquina que leva informações pessoais como entrada e produz uma decisão quanto a saída (como um resultado de pesquisa contra o outro ou a um preço mais elevado em comparação com um preço mais baixo).

Alguns pesquisadores utilizam técnicas manuais ou crowdsourcing para olhar para essas diferenças. O que é um grande começo, a abordagem de Princeton à engenharia reversa enfatiza automatização, escalabilidade, generalidade e velocidade. Para isso, estão construindo agentes autônomos, ou seja, bots, que imitam os usuários reais. Bots com diferentes “personas” (que variam de acordo com a idade, sexo, riqueza, localização, interesses e muitos outros atributos) para navegar na web, realizar pesquisas, e assim por diante ao longo de um período de tempo. Ao fazê-lo, eles comparam os resultados da pesquisa, os preços, anúncios, ofertas, e-mails e outros conteúdos que recebem. Por enquanto é a única infra-estrutura extensível com vários plugins que permite medir diferentes tipos de personalização ou discriminação em diferentes sites.

O que me empolga sobre esse projeto é que a plataforma de medição se espalha fortemente em diversas áreas da computação. Estão usando aprendizado de máquina para perfis de construção de usuários simulados com base em registros de usuários reais. Daí a magia de interpretar o que estão vendo nos bastidores… O que requer o desenvolvimento de técnicas de engenharia reversa automatizadas que vou tentar elaborar abaixo.

O objetivo a longo prazo é ser capaz de executar a ferramenta em uma escala web para publicar um “censo” frequentemente atualizado de privacidade on-line e de discriminação.
Implantar com sucesso uma plataforma como essa é um desafio significativo para sistemas de pesquisa. Com isto em mente, imagine um projeto altamente modular de modo que, diferentes pesquisadores possam trabalhar em diferentes partes da infra-estrutura independentemente.

Outro objetivo bem particular deste projeto é provar a possibilidade de informações criptografadas de usuários armazenadas em cookies e que são frequentemente transferidas entre usuário e site, possam ser “Decriptografadas”(Decifradas).
Por exemplo, podemos dizer que os valores correspondem a IDs de usuários, segmentos de interesse e outras informações de comportamento possuem um padrão de criptografia que podem ser entendidos e traduzidos de volta para sistemas humanamente compreensíveis.

Um exemplo básico da técnica é apresentado no gráfico abaixo que mostra um mapa de domínios que por sua vez sincronizam os cookies com a empresa de publicidade “AppNexus”

Sincronização de Cookie é um protocolo pelo qual dois trackers diferentes de terceiros são capazes de combinar suas respectivas identificações pseudônimas do usuário um para outro, ampliando o efeito de infringir a privacidade de rastreamento on-line.

Vários pontos podem ser observados na imagem:

  • Em primeiro lugar, esta análise é significativamente mais profunda do que ferramentas como lightbeam para o Firefox, o qual apenas observa as relações entre pares de servidores. Com o Lightbeam não consigo por exemplo, descobrir o significado dos dados que são trocados. Por outro lado, se automatizarmos a detecção de sincronização dos cookies, isso fica muito mais difícil e produz resultados muito mais úteis.
  • Em segundo lugar, estão trabalhando na capacidade de inserir atributos ainda mais sutis, como os segmentos de comportamento e parâmetros relacionados com leilões de anúncios.
  • Em terceiro lugar, estão fazendo esta medição em uma escala web ao invés de uma ferramenta pessoal para um único usuário. Lembrando que o objetivo é um censo privacidade web que será um mapa abrangente de quais entidades estão coletando as informações, o que eles estão inferindo a partir dele e o que eles estão compartilhando com ele. É um passo importante para o objetivo final de descobrir como os usuários são tratados com base nessa informação.

A esperança é a de trazer transparência para uma coleção atualmente invisível e ressaltantado que  colocar a utilização de dados pessoais on-line vai prover uma maior sensibilização do público e um debate mais informado sobre os méritos e perigos dessas práticas. No caso de usos particularmente inadequados de dados pessoais, a infra-estrutura de medição pode ajudar numa ação regulatória. Atualmente, rastreadores on-line operam a um nível inaceitável de obscuridade.
Vejo nessa iniciativa de transparência um componente chave da democracia digital, e eles convidam as pessoas a se juntarem à eles através do http://donottrack.us/.

Muitos de nós anseiam por um retorno a uma era de ouro ou de outra.
Mas,  há uma comunidade de blogueiros que tomam a idéia ao extremo: Eles querem transformar o modo de comunicação e governos de volta para  dias antes da Revolução Francesa. (Calma, eu explico!)

Neoreacionários acreditam que enquanto a tecnologia e o capitalismo avança a humanidade ao longo dos dois últimos séculos, a democracia realmente fez mais mal do que bem. Eles propõem um retorno a funções de gênero à moda antiga, a ordem social e monarquia.

Você pode encontrá-los em hangouts de tecnologia como Hacker News e o Less Wrong, tendo conversas enigmáticas sobre “Moldbug” e “Catedral”.
E embora não queira exatamente desenfrear a indústria de tecnologia, o fundador do PayPal Peter Thiel manifestou idéias semelhantes e Pax Dickinson, ex-CTO da Business Insider, diz que ele foi influenciado pelo pensamento neoreacionário. Pode ser uma pequena massa minoritária com visão de mundo, mas é uma pessoa que eu acho que brilha alguma luz sobre a psique de cultura tecnologia contemporânea.

Muito já foi escrito sobre Neoreacionarismo, o suficiente para preencher pelo menos um par de livros, por isso, se você preferir ir direto à fonte, basta colocar um Modafinil no Google ou pular para o “Lista de leituras neoreacionárias” no final deste post. Para todos os outros, eu vou fazer o meu melhor para resumir o pensamento neoreacionário e por que ele pode importar.

Quem são os Neoreacionários?

“Reacionário” originalmente significava alguém que se opôs à Revolução Francesa,. Hoje geralmente o termo refere-se a aqueles que gostariam de voltar a um estado pré-existente das coisas. Neoreaction ou dark enlightenment, começou com o cientista da computação e empresário Curtis Yarvin, que tem um blog com o nome de Mencius Moldbug. Yarvin, se auto nomeou Lorde Sith do movimento.

Ele começou sua carreira como um comentarista em sites como 2blowhards antes de iniciar seu próprio blog Unqualified Reservations em 2007. Yarvin originalmente chamo sua ideologia de “formalismo”, mas em 2010 o blogger libertário Arnold Kling se referiu a ele como um “neo-reacionário.” O nome ficou identificado por mais blogueiros – como Anomaly UK  (que ajudou a popularizar o termo), Nick  Land (que chunhou o adjetivo “iluminação escura”) e Michael Anissimov que também começou a se auto-identificam como neoreacionario.

O movimento tem alguns precursores contemporâneos, como Herman Hoppe e Steven Sailer , e claro, neoreacionarismo é fortemente influenciada pelo pensamento político antigo – Thomas Carlyle e Julius Evola são particularmente populares.

Anti-Democracia

Talvez a única coisa que une todos os neoreactionarios é uma crítica da modernidade, que gira em torno de oposição à democracia em todas as suas formas. Muitos são ex-libertários que decidiram que a liberdade e a democracia são incompatíveis.

“Os sistemas governados pelos ‘povo’, como a democracia e o comunismo, são previsivelmente menos financeiramente estáveis do que os sistemas aristocráticas”, Anissimov escreve . “Em média, passam por mais recessões e seguram mais dívidas. Eles são mais suscetíveis a falhas de mercado. Perdem mais recursos. Cada dólar vai mais longe no sentido de melhorar padrão de vida para a pessoa média em um sistema aristocrático do que em um democrata.”

O tipo de monarquia que eles preferem varia. Alguns querem algo mais próximo de teocracia, enquanto Yarvin propõe transformar os Estados-nações em corporações com o rei como chefe executivo e a aristocracia como acionistas.

Para Yarvin, estabilidade e ordem triunfa em todos. Mas críticos como Scott Alexander pensam e defendem que  neoreactionarios superestimam a estabilidade das monarquias (para dizer no mínimo na minha opinião). Alexander recentemente publicou um FAQ anti-reacionário , um documento enorme que examina e refuta as afirmações de neoreactionarios.

“Para um observador do mundo medieval ou renascentista de monarquias e impérios, a estabilidade das democracias parece totalmente sobrenatural”, ele escreveu. “Imagine dizer a rainha Elizabeth I, a quem como vimos acima sofreu seis rebeliões apenas em duas gerações de sua família de governo até esse ponto que a Grã-Bretanha tem sido 300 anos sem uma guerra civil relacionados com a não-colonia. Ela iria pensar que ou você estava colocando ela no lugar de Deus, ou que o próprio Deus havia enviado um exército de anjos para manter pessoalmente a ordem. “

É uma saída?

Yarvin propõe que os países devem ser pequenas “cidades-estado” e que todos eles devem competir pelos cidadãos. “Se os moradores não gostam de seu governo, eles podem e devem se mover”, ele escreve . “O design deve ser sugerindo “saia” e não “Reclame”.”

Isso provavelmente vai soar familiar se você ouviu o discurso no Y Combinator do Balaji Srinivasan.

Apesar de várias notícias sobre, ele descreveu a conversa como uma chamada para o Vale do Silício se separar da união, Srinivasan disse ao Tim Carmody que o seu discurso foi mal interpretado. “Eu não sou um libertário, não acredito em secessão, sou um democrata registrado, etcetera etcetera”, escreveu ele. “Esta é realmente uma conversa que é mais sobre a emigração e sair.”

Eu não conheço a fundo no que Srinivasan acredita, mas parece que ele encontraria visualizações neoreacionárias  repulsivos. E a saída é um conceito que agrada tanto à direita e à esquerda. Mas há outros no Vale empurrando idéias muito mais perto do neoreacionarismo. Patri Friedman, que co-fundou o Instituto Seasteading com Peter Thiel, mencionou especificamente o blog de ​​Yarvin em uma lista de leitura no final de um ensaio para Cato Unbound e Yarvin foi convidado para falar na conferência do Instituto Seasteading em 2009 depois de sua aparição foi cancelada. Thiel, por sua vez, expressou uma opinião relacionada em seu próprio artigo para Cato Unbound : “Eu não acredito mais que a liberdade e a democracia são compatíveis.”

Aliás, Founders Fund de Thiel é um dos investidores na companhia de Srinivasan Counsyl. O co-fundador da startup de Yarvin. Tlon foi um dos primeiros a receber o Thiel Fellowship. Anissimov foi o diretor de mídia da Thiel apoiado Instituto Intelligence Machine (anteriormente conhecido como o Instituto Singularity). É o suficiente para fazer girar a cabeça de um teórico da conspiração, mas eu não estou realmente sugerindo que há uma conspiração aqui. Eu não acho que Peter Thiel é parte de alguma trama mestre neoreacionária. Eu nem sequer sei necessariamente se ele é um neoreacionario. Mas você pode ver que um determinado conjunto de idéias estão se espalhando através de fora a cena da partidos. Idéias neoreacionárias sobrepõem fortemente com Seasteading e racismo científico (mais sobre isso mais tarde), e este maior “cult homem das cavernas” tem um impacto na cultura tecnológica, a partir de ambientes de trabalho para a atmosfera social em conferências.

Para ser claro, porém, neoreacionarismo puro é uma posição de uma extrema minoria que provavelmente nunca pegará nada além de um pequeno culto. Mas tem havido uma explosão de interesse desde o final de 2012, apesar do fato de que Hoppe, Sailer, Yarvin e outros terem escrito sobre essas coisas há anos (e tem o primo europeu do neoreacionismo, o archeofuturism que tem ocorrido por muito mais tempo). E esse interesse só acontece de modo a coincidir com a crescente atenção da mídia a ser paga para exponenciar os problemas da indústria de tecnológica, de sexismo em jogos de vídeo de “cultura bro” na indústria de tecnologia.

E muitos profissionais, ao invés de admitir que o seu papel na gentrificação, a disparidade de riqueza e deslocamento trabalho , estão lançando-se como vítimas.

TimBerners

 

O cientista creditado pela invenção da World Wide Web (internet, mano!) manifestou-se sexta-feira contra o que ele chamou de “Crescente onda de vigilância e censura”, avisando que está ameaçando o futuro da democracia digital.

Tim Berners Lee, que lançou a Web em 1990, fez as declarações ao divulgar o relatório anual da sua Fundação World Wide Web de monitoramento do impacto da Web e censura global. O índice classificou pela primeira vez a Suécia como líder no o acesso à Web com itens como abertura e liberdade, seguida pela Noruega, Reino Unido e Estados Unidos (O Brasil ficou em Trigésimo Terceiro).

“Uma das descobertas mais encorajadoras da Web Index deste ano, é a forma como a web e as mídias sociais estão cada vez mais estimulando as pessoas a organizar, agir e tentar expor irregularidades em todas as regiões do mundo”, disse Berners Lee.

“Mas alguns governos estão ameaçados, por isso, uma maré crescente de vigilância e censura agora ameaça o futuro da democracia”, disse ele, acrescentando que medidas precisam ser tomadas para proteger os direitos de privacidade e garantir que os usuários possam continuar a se reunir e falar livremente online.

O aviso de Berners Lee é tema de um debate global sobre a vigilância e privacidade, provocada pela liberação de documentos sigilosos vazados pelo ex-analista da Agência de Segurança Nacional Edward Snowden, que mostrou a extensão de invasão do  governo americano espionando a vida online das pessoas. Enquanto os vazamentos focado no trabalho da NSA, o escrutínio desde então se espalhou para outras agências de inteligência ocidentais.

O relatório de sexta-feira, mostra que espionagem online e bloqueio estão em ascensão em todo o mundo e conteúdo da Web politicamente sensível é bloqueado em quase um em cada três países. Apesar de sua alta classificação geral, os EUA e a Grã-Bretanha ambos receberam pontuações medíocres para salvaguardar a privacidade dos usuários.

O México teve a classificação mais alta na economia emergente em 30˚. A Rússia veio em 41˚ , a China estava em 57˚, e Mali, Etiópia e Iêmen estavam no fundo da lista. Os países ricos não necessariamente fezem melhor do que os mais pobres, a Estônia por exemplo, tem uma posição mais alta do que a Suíça, enquanto Qatar e Arábia Saudita, possuem um desempenho muito pior do que o seu ranking de renda poderia sugerir.

Muitos dos 81 países pesquisados ​​não conseguiram usar a Web para divulgar corretamente as informações básicas sobre saúde e educação e a maioria dos governos tendem a ocultar dados importantes, como informações sobre a propriedade da terra e registro de empresas, disse o relatório.

Cerca de 39% da população mundial estava online em 2013, mais que o dobro de 2005, que registrou 16%. Na África, menos de uma em cada cinco pessoas estão usando a Internet, com muitos números dizendo claramente que eles não podem pagar pelo acesso e mesmo assim empresas estão forçando isso.

Base para o post: The Web Index

Nota  —  Publicado: 23/11/2013 em Notícias, Tecnologia
Tags:, , , , , , ,

Este é um compilado da web de algumas dicas bacanas e algumas injeções de conteúdo autoral.
Por se tratar de um assunto delicado, tomo o cuidado de recomendar de cara a conhecer o http://www.safernet.org.br/ que é um compilado que ajuda a Prevenir e Orientar, Denunciar e Ajudar com crimes virtuais, pedofilia, aliciamento e outros crimes virtuais.

Imagem

Com base nisso, deixo aqui algumas dicas para os pais e interessados numa navegação segura e conhecimento de meios para prevenir esses crimes e como denunciá-los.

A cena já é mais do que comum: seu filho em frente ao computador horas a fio e você nem sabe muito bem o que ele está fazendo. A internet, além de fonte de diversão para as crianças, também é cheia de perigos e gente mal-intencionada. Isso não significa que você deva proibir a navegação online, mas é preciso ficar atento a algumas boas práticas. Veja a seguir dicas para pais sobre o uso seguro da internet pelas crianças

PROIBIR NÃO EDUCA:
Existem pais que acabam recorrendo à proibição do uso da internet como forma de evitar a exposição dos filhos aos perigos da rede. No entanto, é preciso lembrar que o acesso não fica restrito à sua casa: a criança vai ter contato com a internet na casa de um amigo, na escola, via smartphone, iPod… A Safernet, ONG de defesa dos direitos humanos na internet, lembra que diálogo e orientação ainda são as ”melhores tecnologias” para proteger seus filhos 

ESTABELEÇA UM DIALOGO CONTÍNUO E ABERTO:
“A segurança na internet deve ser sempre passada às crianças como uma orientação e não como simples regra imposta” alerta a Safernet. Isso é importante para que seus filhos entendam que estão fazendo algo para o próprio bem e não por mera obrigação. O importante, quando se trata de educar pequenos internautas, é transmitir valores éticos, que se mantêm os mesmos na vida virtual e também na real? 

DEIXE O COMPUTADOR A VISTA:
Uma dica simples, mas que pode ajudar no monitoramento das atividades do seu filho na internet é manter o computador em um local onde todos convivam, como a sala, por exemplo. O objetivo aqui não é espionar o que a criança faz, mas estar por perto para orientá-la sempre que necessário. 

USE SOFTWARES DE CONTROLE PARENTAL:
Existem programas que ajudam a controlar buscas por determinados termos e regulam o acesso a sites na internet. São ferramentas que auxiliam o controle dos pais, mas vale lembrar que elas não devem substituir a orientação e o diálogo com as crianças. Afinal, você pode instalá-los no computador da sua casa. E fora dela? O acesso à internet também ocorre na casa do amigo, via smartphone, LAN house, iPod… Caso opte por utilizar esses softwares, lembre-se sempre de mantê-los atualizados.

CRIE UMA PASTA DE SITES LEGAIS PARA VISITAR:
Os navegadores de internet permitem a criação de pastas com atalhos para sites. Aproveite para manter um local com endereços confiáveis que podem ser visitados pelas crianças por conta própria. Você encontra uma lista desses sites na página do Guia para Uso da Internet Responsável.

LIMITE O TEMPO DIANTE DO COMPUTADOR:
Estabeleça junto com seu filho um tempo limite para que ele passe no computador, assim como fazem para o uso de outros eletrônicos, como o videogame e a TV.

CUIDADO VEM ANTES DA CURIOSIDADE:
Cibercriminosos sempre se aproveitam da curiosidade dos internautas para aplicar golpes. Portanto, é interessante ensinar seu filho a ser cuidadoso em vez de curioso ao receber e-mails com links e anexos, mesmo que tenham sido enviados por amigos. Ao clicar, a criança pode instalar sem querer programas espiões ou vírus no computador.

DADOS PESSOAIS NÃO DEVEM SER COMPARTILHADOS:
Ensine a criança a não compartilhar dados pessoais como nome completo, endereço, telefone ou logins e senhas de acesso a serviços online. Até mesmo fotos publicadas em sites de relacionamento podem ser usadas por criminosos para identificar informações como em que escola a criança estuda e o número da casa onde mora.

CONHEÇA OS AMIGOS ONLINE DOS SEUS FILHOS:
Muitos sites com jogos online, mesmo aqueles dedicados exclusivamente ao público infantil, mantêm redes sociais. É importante acompanhar quem são os amigos ”virtuais” da criança e ensiná-la a não compartilhar dados pessoais e senhas. 

ACREDITE: CRIANÇA SABE (quase) TUDO:
Nunca subestime o conhecimento das crianças ou sua capacidade de descobrir coisas por conta própria na internet. Em vez de adotar uma postura autoritária ou presunçosa, mostre para seu filho que você também está disposto a aprender junto com ele. É nessa hora que você tem oportunidade de ensiná-lo a ser cuidadoso na internet. 

DE EXEMPLO
Se você ensina seu filho a não clicar em qualquer link, por que então não faz o mesmo? Ao manter um comportamento seguro online, você evita que um computador de uso compartilhado pela família fique exposto a pragas da internet, como programas espiões que roubam dados de login, senha e cadastros.

FIQUE ESPERTO
Mantenha-se sempre informado: existem sites que trazem dicas específicas para pais, educadores e crianças. A Safernet mantém uma cartilha online que pode ser acessada no site da instituição.

E não se esqueça, mais informações no SAFERNET

Todo mundo está entrando na onda dos arquivos em nuvem que não é nenhuma novidade, por consequência, sabemos que nada é melhor do que ter espaço né?
Pois aqui vai uma dica sensacional!  O Google, comprou o QuickOffice, que por sua vez é uma ferramenta prática para visualizar e editar arquivos do Office como o nome diz, de maneira rápida.

A aquisição já aconteceu faz um bom tempo, mas claro, os sites de tecnologia que falam superficialmente fizeram um post no rodapé.
Com a aquisição, houve uma reestilização e criação de um novo logo bem mais parecido com a identidade visual do Google e ficou mais espertinho na utilização e o melhor de tudo, agora é GRÁTIS.

Quickoffice-GoogleDrive_610x213

Tá e daí?

Com essa aquisição o Google liberou um mimo para usuários de iOS e de Android, até o dia 26 de Setembro, os novos usuários ganharão 10 gigas adicionais no Google Drive!
Sim, é isso mesmo, 10 Gigas!!!

Mimimimi mas eu uso Dropbox e etc etc etc:

Os 10 Gigas que serão adicionados são maior que o Dropbox fornece mesmo com todas as gambiarras livres para ganhar mais espaço, visto que o serviço é até melhor no Drive, por poder editar documentos do Office em equipe em tempo real e sem muitas frescuras.

Sobre o QuickOficce:

Ele não é o melhor do mundo, mas é muito bom no que faz e vindo com 10 Gigas adicionais no Google Drive, com certeza, já vale o tempo de Download.

Eu mencionei que é DE GRAÇA para iOS e ANDROID? Tá esperando o que para espalhar esse post e ainda ganhar mais espaço na nuvem do Google?

Vai logo, é só até o dia 26 de setembro no Google Play e na App Store!

Esse é um review sincero, positivo ou negativo, é um review sincero.

Leitor
Chegou ao Brasil o dispositivo de pagamentos da iZettle, uma empresa européia focada em pagamentos OnLine com essa idéia que é inovadora e com certeza tem um bom público em potencial.

O Leitor de cartões da iZettle permite que qualquer tipo de empresa ou pessoa aceite pagamentos via cartão de crédito ou débito, conectado ao celular, dando um novo ar para vendedores online e prestadores de serviço autônomos bem como empresas de qualquer tamanho.

Com aplicativos para Android e iPhone eles permitem que se conecte o leitor que basicamente lê a assinatura e o chip do cartão conectado e realliza o pagamento.

Diferenciais:

– Compacto

Como ele é pequeno, é perfeito para levar em bolsas, mochilas, sem contar que para pequenos comerciantes tira a essencialidade de uma máquina de débito.

– Conexão

Testei em conexões wifi e 3G (De São Paulo, aquela bem xexelenta) e funcionou bem, as transações não demoraram mais do que uma máquina de caixa.

– Integração

Serviços como PayPal aceitam a entrada do iZettle o que é muito mais prático!

– Preço

Você paga quando usa, caso contrário, não tem contratos de mensalidades, anuidades e afins, é simplesmente serviço prestado.

– Compatibilidade

Essa é uma questão que quero abrir mais:

Ele possui dois modelos, um com Chip e Assinatura, que serve apenas para cartões de créditos com as bandeiras Mastercard e Visa e outro modelo com um teclado físico para pagamentos de cartões de débito também.

chip-mag-8d000574b5279c17e473a4e72a2a920b

A verão simples está gratuita até o dia 30 de Agosto e você pode pedir a sua Aqui
Após o dia 30 de agosto de 2013, passará a custar R$ 99,00.

Ainda não há previsão da chegada do dispositivo para débito, mas é bom ficar atento, caso haja interesse.

Outro ponto a ressaltar é que existem taxas, assim como as operadoras centralizadoras como a Cielo fazem, então é bom que se atentar para ver se falem a pena, apesar de serem ridiculamente mais baratas do que a de serviços como o Mercado Livre.

pt_BR

Se quer facilidade e um gadget que para compradores e vendedores amadores, Avon, Jequiti, ou não é com certeza uma opção bacana a considerar!
Conhece alguém que se interessa? Se interessou?

Acesse o iZettle, cadastre-se até dia 30 de Agosto de 2013 e receba seu dispositivo DE GRAÇA.

Pós-post: Além do dispositivo, a iZettle gera indicadores por uso com números como Evolução das vendas, Configurações de Equipes,  Clientes Regulares, Valores Médios de Compra e etc. Vale a pena conhecer.

Sempre que a gente compra um Gadget novo começa o papinho de vendedor sobre baterias, mas o que é verdade e o que é mentira?

Bateria

Tipos de bateria:

NiCd – Níquel Cádmio – Esse modelo foi o primeiro tipo de bateria recarregáveis comercializado, por muitos anos equipando nossos celulares e primeiros gadgets recarregáveis, ela tem baixo custo e possuem uma grande vulnerabilidade ao “Efeito Memória”. O tempo de vida desse tipo de bateria é bem curto e a capacidade é menor e poluente para o meio ambiente além do Cádmio que é Tóxico e cada vez mais raro na natureza.

NiMH – Níquel-Hidreto Metálico – Essa é a bateria mais clássica e geradora de mitos, ela é bem menos vulnerável ao efeito memória, armazena mais energia que a bateria de NICd, mas tem um custo mais elevado.

Li-Ion – Íon de Lítio – A bateria mais usada no momento, armazena muito mais energia, são mais leves, NÃO são afetadas pelo efeito memória o que permite que sejam carregadas sem esperar acabar toda a carga.

Li-Pol – Polímero de Lítio – É uma nova variação de bateria de Íon de Lítio, a maior diferença é que elas usam um polímero seco, o que permite que sejam adequadas a diversos formatos diferentes, não precisam de um isolamento de metal como as baterias de Íon de Lítio convencionais e são menos inflamáveis, encontram-se já nos iGadgets da Apple e nas marcas de ponta dos Androids e etc.

O que é o Efeito Memória?

Com passar das recargas parciais, esse tipo de bateria acaba favorecendo o aparecimento de blocos de Cádmio que impossibilitam a carga completa da bateria, fazendo ela indicar 100% completa.

Bateria Explode?

Sim. Se houver uma falha de fabricação no aparelho, ele pode se descontrolar e esquentar a bateria a ponto dela abrir, como uma pipoca… nada mais que isso… se você beber o suco de laranja que sair dela, talvez morra… #NãoTenteIssoEmCasa

Preciso dar 12 horas de carga?

Não… isso se aplica somente a baterias de Cádmio e Níquel, as baterias de Íons de lírio não precisam, pois já estão a todo vapor quando compramos.

Curiosidades:

– As baterias de Íons de Lítio possuem dois estágios de carga, um estágio que se chama “Carga Rápida”, que é a fase que o carregador joga toda a energia suportável na bateria, normalmente vai até os 80% da bateria. E a carga Lenta que é quando passam-se dos 80% normalmente, por isso temos a impressão de demora, isso se faz, pois evita colisão forte no fim da carga, assim a bateria não esquenta tanto;

– Alguns recursos do seu Gadget podem ajudar a reduzir o consumo, como brilho da tela, bluetooth, wi-fi, quando estiver em local com pouco sinal, desligue o 3G, assim o aparelho não ficará desesperado atrás de conexão;

– Quando estiver numa região que não há sinal, mude para o modo avião, para não consumir a antena. Selecione sua operadora manualmente, assim, não haverá procura em toda a rede, apenas por determinado sinal;

– Em ambientes mais frios as baterias tendem a durar mais, procure manter seu aparelho em local arejado e fresco;

– Seu aparelho não explodirá no sol, mas pode danificar outros componentes; 😉

– Desative o Equalizador, ao ouvir música, o Equalizador atua no momento da reprodução, consumindo mais energia do aparelho;

UTILIZE o carregador. É importante manter os Elétrons sempre em movimento, se precisar guardar o aparelho por muito tempo, uma vez por mês ao menos dê uma carga total e descarregue-o para dar uma sacudida nos elétrons.